Por: Stéphanie Boccomino
   
A monja brasileira Coen Sensei, mais conhecida como Monja Coen, é uma Mulher Viajante. Iniciou suas práticas meditativas Zen (ramo do budismo Mahayana) aos 36 anos, na Califórnia, no Zen Center Of Los Angeles. Mas não parou por aí. “Cortei meus longos cabelos, abandonei as aulas de balé clássico e me tornei monja. Fui para o Japão onde fiquei em treinamento intensivo por oito anos e pratiquei em vários templos por outros quatro anos. Voltei ao Brasil e tenho me dedicado a transmitir os ensinamentos de Buda e as práticas meditativas.”

Em entrevista à Mulher Viajante, a monja dá dicas dos melhores locais para meditar. Segundo Coen, a prática pode ser feita onde quer que esteja, mas dê preferência a lugares calmos e agradáveis, onde seja possível sentar e contemplar a vida.



Japão
As tradições budistas, e consequentemente meditativas, estão bem enraizadas no Japão, tendo chegado aí  entre 710 e 784 d.C. Por isso, oMosteiro de Eiheljis japoneses dão valor a espaços que convidam à paz. “Há locais maravilhosos, tranquilos jardins, águas transparentes dos rios e riachos murmurantes; é muito convidativo”, recomenda a paulistana. “Além, é claro, das inúmeras salas, templos e mosteiros Zen, dotados de uma riqueza incomensurável”.
Coen recomenda alguns mosteiros onde teve boas experiências. “O mosteiro de Eihelji, na Província de Fukuie, e o de Sojiji, em Yokohama, foram locais onde pude penetrar em Samadhi (estado meditativo) profundo e surpreendentemente forte, sutil e agradável. O mesmo aconteceu no Mosteiro Feminino de Nagoya, onde morei por oito anos, e o Mosteiro de Dayuzan, em Odawar.”

Índia
“Pude meditar no Taj Mahal e em tantos outros templos e locais, como em Bodigaya e Varanasi, às margens do sagrado rio Ganges”, afirma Coen, referindo-se à crença hindu de que as águas de Ganges limpam as impurezas do Homem. Bodigya é a pequena vila onde se diz que Sidarta Gautama meditou até atingir iluminação e se transformar em buda.
Além destes lugares, a três horas de Bombaim, em Maharastra, fica o centro Dhamma Giri, o maior do mundo dedicado à meditação Vipassana, que foca na respiração. O centro Maharishi Mahesh Yoki, em Rishikesh, foi a opção de retiro dos Beatles em 1968.

Peru
“Em agosto deste ano irei ao Peru para celebrar 110 anos da imigração japonesa. Depois das festividades, irei a Lima e San Vicente de Cañete visitar, pela primeira vez, Cusco e Machu Picchu. Acredito que sejam locais perfeitos às práticas mMeditação Machu Picchueditativas”, diz a monja de 64 anos.
A agência de viagens Raidho é a que organizará sua viagem de turismo religioso, acompanhada de um grupo de outros praticantes. Entre outras, esta é uma das várias empresas no Brasil que oferece pacotes para fazer meditação em templos e montanhas com belas vistas.

Suíça
“As montanhas e as matas durante o verão são extremamente refrescantes e agradáveis para que nos sentemos alguns momentos em meditação profunda. Lagos e florestas são locais bem agradáveis”, afirma. O país também oferece pequenos templos e centros com cursos de diversos tipos meditação e filosofias budistas, como o Centro de Meditação de Beatenberg, que ensina vários tipos de praticas, embora dê ênfase ao Vipassana.

Estados Unidos
“Nos EUA, há grandes centros e mosteiros de prática, inclusive nas montanhas, tanto da Califórinia quanto de Nova York”, uma recomendação que Coen dá para quem prefere se manter “ocidentalizado”.
Os praticantes de shambala, a meditação contemplativa típica do Tibete, podem usufruir do Sky Lake, um centro de retiro espiritual com 18 quartos, situado na crista norte das Montanhas Shawangunk, no interior de Nova York. Há trilhas junto ao vale do rio Hudson e um ambiente de muita paz.

BrasilMeditação Copam
“Aqui no Brasil há inúmeras possibilidades: praias, montanhas e cidades. Há até um grupo que pratica no topo do edifício Copam, em São Paulo”, comenta. Há um templo em São Paulo, no bairro do Pacaembu, onde Coen oferece aulas práticas de meditação para iniciantes, todas as quintas feiras às 20 horas e aos domingos às 11 horas. O site da monja também disponibiliza um curso online, em que a publicação “Zazen” dá instruções básicas.

É possível meditar caminhando pelos parques da cidade e áreas rurais. “Em Viamão (RS), estamos construindo um templo Zen, chamado VilaZen, em parceria com o ViaZen de Porto Alegre. Podemos ouvir os pássaros cantar, ver o sol raiar, a lua surgir e o céu estrelado”, conta Coen.

Como praticar
“Abrir a mente, o coração, os sentidos para a beleza da vida. Integrar-se, transcender e voltar do estado de Samadhi, estado profundo de meditação, para trabalhar, compartilhar e beneficiar inúmeros seres. Este é o caminho do Buda”, afirma a monja a respeito das práticas da meditação e da filosofia de vida que segue, o budismo.

Para quem quer aprender a meditar, Coen recomenda escolher um local nem muito escuro nem muito claro, sentar de forma a manter a coluna vertebral ereta e a cervical livre de pressões, e deixar os pensamentos fluir. “Esvazie os pulmões e respire normalmente pelas narinas. Não pense nem no bem nem no mal. Ouça os sons, sinta os odores, mantenha sua postura estável e confortável. Deixe os olhos entreabertos, evitando adormecer. Não procure nmeditaçãoada em especial, apenas esteja em silêncio sentindo, existindo e apreciando a vida.”, diz.

Um dos mais famosos tipos de meditação é o Zen, técnica praticada há 2000 anos que visa a atingir o pensamento profundo e a contemplação. A postura sentada remete ao Xaquiamuni buda, sendo que “buda” é o titulo budista dado aos seres iluminados. Coen acredita que a o caminho para atingir essa iluminação é através da prática Zen, seguida tradicionalmente por japoneses e chineses, apesar de ter originado na Índia.

Uma prática bastante comum em território indiano é a meditação mântrica, utilizado por budistas e hindus. Neste tipo de meditação, o praticante recorre ao poder de dizeres em sânscrito para se aproximar das divindades e obter, assim, purificação, paz de espírito, equilíbrio e autoconsciência. A maioria dos adeptos usam uma espécie de cordão de contas, conhecido como japamala, para ajudá-los a se concentrar durante o ritual. O colar é segurado com uma das mãos e girado em círculo; em cada repetição do mantra, toca-se em uma conta.

Lembra-se do filme baseado no livro “Comer, rezar e amar” em que a atriz Julia Roberts interpreta a jornalista que decide se aventurar sozinha pelo mundo, e vai até a Índia para meditar? Pois bem, ela entra em contato com essa meditação duante o seu retiro espiritual.

Fotos: Mulher meditando (primeira imagem). Mosteiro Eihelji (segunda foto, à direita). Meditação no Peru (terceira imagem, à esquerda). Meditação no Copam (quarta foto, à direita). Meditação (último foto, à direita).

Comentários

Em Zürich(Suìça), com a coordenação da Monja Coen, oferecemos oportunidades de práticas na tradição do Zen, em português, inglês, espanhol e alemão. Temos meditação todas as 4as. feiras, e outras atividades meditativas conforme programação. Jorge Koho, responsãvel pelo ViaZen Zürich

Quero ir estudar e praticar meditacao no Japao..quero me afastar da vida mundana e materualista ..como possi fszer?

Oi Thatianne!

Recomendamos começar sua jornada espiritual perto de casa. Há vários centros de meditação Brasil afora. Mas se você quer se jogar de cabeça, deve procurar um local que faça a prática que você está mais familiarizada.

Boa sorte e conte depois como foi!

Abs,
Equipe Mulher Viajante

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Filtered HTML

  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <cite> <blockquote> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <p> <iframe>
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.

Gmap

  • Insert Google Map macro.